Direito ao esquecimento versus liberdade de expressão

critério da ponderação na jurisprudência nacional e internacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22477/rdj.v112i00.654

Palavras-chave:

Direito ao esquecimento. Direitos da personalidade. Liberdade de expressão. Direito comparado. Ponderação de valores.

Resumo

O direito ao esquecimento, reconhecido neste artigo como direito da personalidade, é matéria constitucional ainda pouco tratada no âmbito jurídico, mas que desperta muitas dúvidas e discussões. Isso ocorre porque o tema coloca o intérprete do direito diante de constante impasse entre o direito à privacidade e o direito à informação, à comunicação e à liberdade de expressão. Este artigo busca aprofundar o estudo desse assunto à luz do direito comparado e dos critérios de ponderação de valores. Para compreensão do tópico, foram analisadas decisões emblemáticas proferidas em cortes internacionais, bem como no Superior Tribunal de Justiça. Ao examinar em conjunto decisões nacionais e internacionais que versam sobre o mesmo pano de fundo, é possível notar aumento do reconhecimento do direito ao esquecimento nos ordenamentos jurídicos. Esse fator contribui para a evolução na jurisprudência sobre a temática, o que se faz indispensável, sobretudo em decorrência dos avanços da internet e do amplo acesso aos meios digitais pela população mundial. Como metodologia, foram utilizadas a análise documental e expositiva da jurisprudência internacional e nacional e a literatura sobre a técnica de ponderação. Na conclusão, sustenta-se a impossibilidade de sobreposição do direito ao esquecimento ou da liberdade de expressão e de informação sem a análise atenta do caso concreto, o que exige sensibilidade e atuação personalizada do aplicador do direito utilizando a ponderação de valores, de forma a não suprimir por completo qualquer dos direitos envolvidos.

Biografia do Autor

Gisele Landim de Souza, Supremo Tribunal Federal

Especialista em Prestação Jurisdicional pelo Instituto dos Magistrados do Distrito Federal - IMAG/DF. Servidora pública do Supremo Tribunal Federal.

Referências

ARAUJO, L. A. D. A proteção constitucional da própria imagem. 2. ed. São Paulo: Verbatim, 2013.

BARROSO, L. R. Colisão entre liberdade de expressão e direitos da personalidade. Critérios de ponderação. Interpretação constitucionalmente adequada do código civil e da lei de imprensa. Revista de Direito Administrativo, n. 235, Jan./Mar., 2004. Disponível em: https://bit.ly/2SJNnyB6. Acesso em 18 jun. 2020.

BITTAR, C. A. Os direitos da personalidade. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

BRASIL. Conselho da Justiça Federal. Enunciado 531 - VI Jornada de Direito Civil. Brasília, 2013a. Disponível em: https://www.cjf.jus.br/enunciados/enunciado/142. Acesso em: 22 jun. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Diário Oficial da União, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm. Acesso em: 28 jun. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10406compilada. htm. Acesso em: 28 jun. 2020.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça (3. Turma). Recurso especial REsp 1.316.921 RJ 2011/0307909-6. Civil e consumidor. Internet. Relação de consumo. Incidência do cdc. Gratuidade do serviço. Indiferença. Provedor de pesquisa. Filtragem prévia das buscas. Desnecessidade. Restrição dos resultados. Não-cabimento. Conteúdo público. Direito à informação. Recorrente: Google Brasil Internet Ltda. Recorrido: Maria da Graça Xuxa Meneghel. Relatora: ministra Nancy Andrighi, 26 de junho de 2012. Diário de Justiça Eletrônico, 2012. Disponível em:https://bit.ly/3yjEhru. Acesso em: 21 jun. 2020.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça (4. Turma). Recurso especial 1.334.097 RJ 2012/0144910-7. Recurso especial. Direito civil-constitucional. Liberdade de imprensa vs. Direitos da personalidade. Litígio de solução transversal. Competência do superior tribunal de justiça. Documentário exibido em rede nacional. Linha direta-justiça. Sequência de homicídios conhecida como Chacina da Candelária. Reportagem que reacende o tema treze anos depois do fato. Veiculação inconsentida de nome e imagem de indiciado nos crimes. Absolvição posterior por negativa de autoria. Direito ao esquecimento dos condenados que cumpriram pena e dos absolvidos. Acolhimento. Decorrência da proteção legal e constitucional da dignidade da pessoa humana e das limitações positivadas à atividade informativa. Presunção legal e constitucional de ressocialização da pessoa. Ponderação de valores. Precedentes de direito comparado. Recorrente: Globo Comunicações e Participações S/A. Recorrido: Jurandir Gomes de França. Relator: ministro Luis Felipe Salomão, 28 de maio de 2013 Diário de Justiça Eletrônico, 2013b. Disponível em: https://bit.ly/3xg9nQH. Acesso em: 24 jun. 2020.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça (4. Turma). Recurso especial 1.335.153 RJ 2011/0057428-0. Recurso especial. Direito civil-constitucional. Liberdade de imprensa vs. Direitos da personalidade. Litígio de solução transversal. Competência do superior tribunal de justiça. Documentário exibido em rede nacional. Linha direta-justiça. Homicídio de repercussão nacional ocorrido no ano de 1958. Caso “Aída Curi”. Veiculação, meio século depois do fato, do nome e imagem da vítima. Não consentimento dos familiares. Direito ao esquecimento. Acolhimento. Não aplicação no caso concreto. Reconhecimento da historicidade do fato pelas instâncias ordinárias. Impossibilidade de desvinculação do nome da vítima. Ademais, inexistência, no caso concreto, de dano moral indenizável. Violação ao direito de imagem. Súmula n. 403/STJ. Não incidência. Recorrente: Nelson Curi e outros. Recorrido: J Globo Comunicações e Participações S/A. Relator: ministro Luis Felipe Salomão, 28 de maio de 2013. Diário de Justiça Eletrônico, 2013c. Disponível em: https://bit.ly/3ynR5x7. Acesso em: 24 jun. 2020.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça (3. Turma). Recurso especial 1.660.168 RJ 2014/0291777-1. Recurso especial. Direito civil. Ação de obrigação de fazer. 1. Omissão, contradição ou obscuridade. Ausência. 2. Julgamento extra petita. Não configurado. 3. Provedor de aplicação de pesquisa na internet. Proteção a dados pessoais. Possibilidade jurídica do pedido. Desvinculação entre nome e resultado de pesquisa. Peculiaridades fáticas. Conciliação entre o direito individual e o direito coletivo à informação. 4. Multa diária aplicada. Valor inicial exorbitante. Revisão excepcional. 5. Recurso especial parcialmente provido. Recorrente: Yahoo! Do Brasil Internet Ltda e Google Brasil Internet Ltda. Recorrido: DPN. Relatora: ministra Nancy Andrighi, 8 de maio de 2018a. Diário de Justiça Eletrônico, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3xjIdZ6. Acesso em: 28 jun. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Coordenadoria de Análise de Jurisprudência. Boletim de Jurisprudência Internacional: direito ao esquecimento. 5. ed. Brasília: Supremo Tribunal Federal, 2018b. Disponível em: https://bit.ly/2UoY7D6. Acesso em: 15 jun. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (Plenário). Parecer n. 156.104/2016 PGR-RJMB no Recurso Extraordinário com Agravo n. 833.248 RJ. Constitucional e civil. Recurso extraordinário. Tema 786. Direito a esquecimento. Aplicabilidade na esfera civil quando invocado pela vítima ou por seus familiares. Danos materiais e morais. Programa televisivo. Veiculação de fatos relacionados à morte da irmã dos recorrentes nos anos 1950. Redator: Procurador-Geral da República Rodrigo Janot Monteiro de Barros, 11 jul. 2016. Diário de Justiça Eletrônico, 2016. Disponível em: https://bit.ly/3heynCa. Acesso em: 26 jun. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (Plenário). Recurso Extraordinário n. 1.010.606 RJ. Recurso extraordinário com repercussão geral. Caso Aída Curi. Direito ao esquecimento. Incompatibilidade com a ordem constitucional. Recurso extraordinário não provido. Relator: ministro Dias Toffoli, 11 fev. 2021. Diário de Justiça Eletrônico, 2021. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=5091603. Acesso em: 26 mar. 2021.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (Plenário). Repercussão Geral no Recurso Extraordinário com Agravo n. 833.248 RJ – Rio de Janeiro. Ementa direito constitucional. Veiculação de programa televisivo que aborda crime ocorrido há várias décadas. Ação indenizatória proposta por familiares da vítima. Alegados danos morais. Direito ao esquecimento. Debate acerca da harmonização dos princípios constitucionais da liberdade de expressão e do direito à informação com aqueles que protegem a dignidade da pessoa humana e a inviolabilidade da honra e da intimidade. Presença de repercussão geral. Relator: ministro Dias Toffoli, 11 dez. 2014. Diário de Justiça Eletrônico, 2015. Disponível em: https://bit.ly/3hbRfSc . Acesso em: 26 jun. 2020.

DOTTI, R. A. O direito ao esquecimento e a proteção do habeas data. Habeas data. Revista do Tribunais, São Paulo, p. 300, 1998.

ESTADOS UNIDOS. Columbia University. Global Freedom of Expression. Venditti v. Rai. 2014. Disponível em: https://globalfreedomofexpression.columbia.edu/cases/venditti-v-rai/. Acesso em: 10 jun. 2020.

FARIAS, E. P. de. Colisão de direitos: a honra, a intimidade, a vida privada e a imagem versus a liberdade de expressão e de informação. 2. ed. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris Editor, 2000.

FERRIANI, L. de P. A. O direito ao esquecimento como direito da personalidade. Tese (Doutorado em Direito) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/18867. Acesso em: 24 jun. 2020.

FRANÇA. Le conseil d’etat. cour de cassation. Chambre civile 1, du 20 novembre 1990, 89-12.580, Publié au Bulletin. Paris, 20 nov. 1990. Disponível em: https://www.legifrance.gouv.fr/juri/id/JURITEXT000007025328. Acesso em: 16 jun. 2020.

MARRACO, M. El Tribunal Supremo Rechaza conceder el derecho al olvido en Google a un asesor fiscal de los Pujol. 2018. Disponível em: https://www.elmundo.es/espana/2018/04/10/5acc9d06e2704eea708b45df.html. Acesso em: 15 jun. 2020.

SARLET, I. W. Do caso Lebach ao caso Google vs. Agencia Espanhola de Proteção de Dados. 2015. Disponível em: https://bit.ly/3hdghk7. Acesso em: 26 mar. 2021.

SCHREIBER, A. Direito e mídia. São Paulo: Atlas, 2013.

SILVA, E. F. da. Direitos de personalidade: os direitos da personalidade são inatos?. Revista dos Tribunais, v. 694, p. 21-34, 1993.

SILVESTRE, G. F.; BENEVIDES, N. S. O papel do Google na eficácia do direito ao esquecimento: análise comparativa entre Brasil e Europa. Revista de Direito Privado, São Paulo, v. 70, p. 99, 2016.

SOUSA, U. C. M. Decisão do STJ contribuiu para o aprimoramento do direito ao esquecimento. Consultor Jurídico, 2018. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2018-mai-11/ulisses-sousa-stj-aprimoramento-direito-esquecimento. Acesso em: 26 fev. 2020.

TURQUIA. Constitutional Court (2nd Section). 2013/5653. Resmi Gazete (Official Gazette), 24 ago. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3xgo2Lw. Acesso em: 14 jun. 2020.

UNIÃO EUROPEIA. Court of Justice of the European Union (CJEU). Case C-131/12. Luxemburgo, 13 mai. 2014. Disponível em: https://bit.ly/3hyksFW. Acesso em: 14 jun. 2020.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

LANDIM DE SOUZA, G. Direito ao esquecimento versus liberdade de expressão : critério da ponderação na jurisprudência nacional e internacional. Revista de Doutrina Jurídica, Brasília, DF, v. 112, n. 00, p. e021002, 2021. DOI: 10.22477/rdj.v112i00.654. Disponível em: https://revistajuridica.tjdft.jus.br/index.php/rdj/article/view/654. Acesso em: 26 set. 2021.