Estabilidade das decisões proferidas na ação monitória à luz do código de processo civil brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22477/rdj.v112i00.760

Palavras-chave:

Ação monitória. Estabilidade de decisões. Coisa julgada. Novo código de processo civil.

Resumo

O artigo pretende analisar o grau de estabilidade das principais decisões proferidas na ação monitória à luz do Código de Processo Civil Brasileiro. A partir do método dedutivo, é analisada a relação entre a natureza da cognição (sumária ou exauriente) e a imutabilidade das decisões, aplicando-se esses pressupostos às especificidades da tutela monitória. Complementada a utilização desse método com o método dialético, são discutidas as posições doutrinárias antagônicas ou complementares sobre o tema, especialmente quanto (a) à estabilidade da decisão que defere a expedição de mandado de pagamento ou cumprimento da obrigação de entrega de coisa, fazer ou não fazer e (b) à natureza dos embargos monitórios (ação ou defesa) e o grau de estabilidade da decisão que os julga. Pelo método hermenêutico,
as disposições da lei vigente são analisadas ao longo do texto, a fim de identificar em que medida as alterações legislativas mais recentes poderiam impactar essas conclusões. O artigo também se vale do método comparatístico para o resgate da doutrina italiana sobre o conceito de preclusão pro judicato, útil para análise da estabilidade da decisão que defere a expedição do mandado. Sustenta-se, a partir dessa análise, que referida decisão adquire estabilidade diversa da coisa julgada, com efeitos externos, mas sem o efeito positivo próprio da coisa julgada material. Conclui-se, ainda, que a lei vigente corrobora a visão de que os embargos monitórios têm natureza de defesa, ficando abrangidos pela coisa julgada formada pela decisão que os julga todas as alegações dedutíveis pelo réu nessa oportunidade.

Biografia do Autor

Naiane Lopes Soares de Melo, Advocacia

Doutoranda em Direito Processual pela Universidade de São Paulo - USP.
Advogada.

Referências

BEDAQUE, José Roberto dos Santos. Cognição e decisões do juiz no processo executivo. In: FUX, Luiz; NERY JÚNIOR, Nelson; WAMBIER, Teresa Arruda Alvim (coord.). Processo e constituição: estudos em homenagem ao Professor José Carlos Barbosa Moreira. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006. p. 358-378.

BONICIO, Marcelo José Magalhães. A reforma do Código de Processo Civil (Lei 11.232-05) e as relações existentes entre cognição e coisa julgada na execução civil. Revista Dialética de Direito Processual, São Paulo: Dialética, v. 40, p. 95-112, jul. 2006.

BRASIL. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 mar. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/L13105.htm. Acesso em: 1 maio 2021.

CABRAL, Antônio do Passo. Da coisa julgada. In: WAMBIER, Teresa Arruda Alvim; DIDIER JR, Fredie; TALAMINI, Eduardo; DANTAS, Bruno (coord.). Breves comentários ao novo Código de Processo Civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015, p. 1311-1318.

CAPONI, Remo. Rigidità e Flessibilità Del Processo Civile. Rivista di Diritto Civile, Padova, ano LXXI (seconda serie), n. 6, p. 1442-1458, nov./dez. 2006.

DINAMARCO, Cândido Rangel; LOPES, Bruno Vasconcelos Carrilho. Teoria Geral do novo Processo Civil: de acordo com a Lei 13.256, de 4.2.2016. São Paulo: Malheiros, 2016.

GABELLINI, Elena. Opposizione a decreto ingiuntivo: i problemi esegetici posti dall’art. 653 c.p.c. Rivista Trimestrale di Diritto e Procedura Civile, Milão, v. 68, n. 3, p. 1109-1133, set. 2014.

GRECO, Leonardo. Cognição sumária e coisa julgada. Revista Eletrônica de Direito Processual, Rio de Janeiro, v. 10, p. 275-301, 2012. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/redp/article/view/20351. Acesso em: 1 maio 2021.

LOPES, Bruno Vasconcelos Carrilho. O conteúdo da sentença e os limites objetivos e subjetivos da sua eficácia e da coisa julgada. In: YARSHELL, Flávio Luiz (coord.); BEDAQUE, José Roberto dos Santos; SICA, Heitor Vitor Mendonça. Estudos de Direito Processual Civil em Homenagem ao Professor José Rogério Cruz e Tucci. Salvador: Juspodivm, 2018. p. 89-99.

LUPOI, Michele Angelo. Di crediti non contestati e procedimenti di ingiunzione: le ultime tappe dell’armonizzazione processuale in Europa. Rivista Trimestrale di Diritto e Procedura Civile, Milão, v. 62, n. 1, p. 171-206, mar./2018.

MARCATO, Antônio Carlos. A sentença dos embargos ao mandado monitório e o efeito suspensivo da apelação. In: WAMBIER, Teresa Arruda Alvim; NERY JÚNIOR, Nelson; ALVIM, Eduardo Arruda (coord.). Aspectos polêmicos e atuais dos recursos. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000. p. 19-33.

MARCATO, Antônio Carlos. Ação Monitória. In: O Novo Código de Processo Civil: questões controvertidas. GRINOVER, Ada Pellegrini et al. São Paulo: Atlas, 2015. p. 23-38.

MARCATO, Antônio Carlos. Processo monitório brasileiro. 2. ed., São Paulo: Malheiros, 2001.

MARINONI, Luiz Guilherme. O procedimento monitório como forma processual destinada a propiciar uma maior efetividade à tutela dos direitos. Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 770, ano 88, p. 12-21, dez. 1999.

MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz; MITIDIERO, Daniel. Curso de Processo Civil: Tutela dos direitos mediante procedimentos diferenciados. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2019. v. 3.

MAZZEI, Rodrigo. Ação monitória: primeiras impressões após a lei n. 11.232/2005. In: HOFFMAN, Paulo; RIBEIRO, Leonardo Ferres da Silva (coord.). Processo de execução civil: modificações da lei 11.232/05. São Paulo: Quartier Latin, 2006. p. 249-272.

MOREIRA, José Carlos. Eficácia da Sentença e Autoridade da Coisa Julgada. In: Temas de Direito Processual. MOREIRA, José Carlos. São Paulo: Saraiva, 1984. 3. série.

NEVES, Daniel Amorim Assunção. Novo Código de Processo Civil Comentado: artigo por artigo. 3. ed. Salvador: Juspodivm, 2018.

PESSOA, Fábio Guidi Tabosa. Questões de Direito Intertemporal Acerca da Ação Monitória no CPC/2015. In: DIDIER JÚNIOR, Fredie; PESSOA, Fábio Guidi Tabosa; YARSHELL, Flávio Luiz (coord.). Direito intertemporal. Salvador: Juspodivm, 2016. p. 225-251. (Coleção Grandes Temas do Novo CPC, v. 7).

PISANI, Andrea Proto. La tutela sommaria in generale e il procedimento per ingiunzione nell’ ordinamento italiano. Revista de Processo, São Paulo: Revista dos Tribunais, v. 23, n. 90, p. 22-35, abr./jun. 1998.

PISANI, Andrea Proto. Giusto processo e valore della cognizione plena. Rivista di Diritto Civile, Padova, v. 48, n. 2, p. 265-280, mar./abr. 2002.

PUOLI, José Carlos Baptista. A lei de cumprimento de sentença como estímulo ao uso da ação monitória para cobrança de soma em dinheiro. In: SANTOS, Ernane Fidélis dos Santos (coord.). Execução civil: estudos em homenagem ao Professor Humberto Theodoro Júnior. São Paulo: RT, 2007. p. 184-191.

REDENTI, Enrico; VELLANI, Mario. Diritto processuale civile. 3. ed. Milão: Giuffrè Editore, 1999.

SICA, Heitor Vitor Mendonça. Recorribilidade das interlocutórias e sistema de preclusões no novo CPC. Gen Jurídico, [s.l.], 7 abr. 2016. Disponível em: http://genjuridico.com.br/2016/04/07/recorribilidade-das-interlocutorias-e-sistema-de-preclusoes-no-novo-cpc-primeiras-impressoes/. Acesso em: 10 maio 2021.

SICA, Heitor Vitor Mendonça. Enrico Redenti e o conceito de ‘preclusão pro judicato’: projeções no ordenamento processual civil brasileiro atual. In: GAIO JÚNIOR, Antônio Pereira; JOBIM, Marco Félix. Teorias do Processo: dos clássicos aos contemporâneos. Londrina: Thoth, 2019. v. I, p. 105-131.

SICA, Heitor Vitor Mendonça. Cognição do juiz na execução civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2017. (Coleção Liebmann).

SICA, Heitor Vitor Mendonça. Comentários ao Código de Processo Civil: artigos 674 ao 678, São Paulo: Revista dos Tribunais, 2018. v. X.

TALAMINI, Eduardo. Tutela de urgência no projeto de novo código de processo civil: a estabilização da medida urgente e a “monitorização” do processo civil brasileiro. Revista de Processo, São Paulo: Revista dos Tribunais, v. 37, n. 209, p. 13-34, jul. 2012.

TALAMINI, Eduardo. Tutela monitória: A ação monitória: Lei 9079/95. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

TESHEINER, José Maria. Preclusão pro judicato não significa preclusão para o juiz. Site Páginas de Direito, [s.l.], jan. 2006. Disponível em: https://www.paginasdedireito.com.br/index.php/artigos/93-artigos-jan-2006/5116--preclusao-pro-judicato-nao-significa-preclusao-para-o-juiz. Acesso em: 16 maio 2019.

TOMEI, Giovanni. Cosa giudicata o preclusione nei processisommari ed esecutivi. Rivista Trimestrale di Diritto e Procedura Civile, Milão, v. 48, n. 3, p. 827-861, set. 1994.

TUCCI, José Rogério Cruz. Ação monitória. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1995.

WATANABE, Kazuo. Da cognição no processo civil. 2. ed. São Paulo: CEBEPEJ; Campinas: Bookseller, 2000.

Downloads

Publicado

2021-10-28

Como Citar

LOPES SOARES DE MELO, N. Estabilidade das decisões proferidas na ação monitória à luz do código de processo civil brasileiro. Revista de Doutrina Jurídica, Brasília, DF, v. 112, n. 00, p. e021011, 2021. DOI: 10.22477/rdj.v112i00.760. Disponível em: https://revistajuridica.tjdft.jus.br/index.php/rdj/article/view/760. Acesso em: 30 nov. 2021.