A dignidade humana à luz do primado da igualdade

eficácia, aplicabilidade e reserva do possível

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22477/rdj.v114i00.861

Palavras-chave:

Dignidade humana. Igualdade. Eficácia. Aplicabilidade. Reserva do possível.

Resumo

Objetivo: o presente trabalho tem o escopo de analisar a dignidade humana na óptica do primado da igualdade, formal e material, e sua incidência que é limitada, por muitas vezes, à luz dos diversos critérios – doutrina, jurisprudência, atividade legislativa – em decorrência do fundamento econômico, uma vez que ficará demonstrado, sem querer exaurir a temática, que o ordenamento jurídico brasileiro entende que a efetivação e a aplicabilidade dos direitos fundamentais sociais dependem de previsão orçamentária para satisfação das prestações materiais; não obstante, trata-se de verdadeiro direito subjetivo, individual ou coletivo, às políticas públicas. Resultado: chega-se à conclusão de que o direito positivo é encarado substancialmente por meio de políticas públicas que prestigiam, como ideal, todos aqueles que se encontram em mesma situação jurídica, havendo, contudo, a preocupação com o respeito aos limites orçamentários, porquanto as finanças do Estado são limitadas e devem ser devidamente alocadas por meio do fomento à luz da teoria da reserva do possível. Método: para tanto, utiliza-se o método indutivo.

Biografia do Autor

Revardiêre Rodrigues Assunção, Advocacia

Mestrando em Direito pela Universidade Católica do Salvador – UCSAL. Advogado e Professor em cursos preparatórios para concursos públicos.

Referências

ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. Ed. Malheiros, 5. ed. São Paulo, 1986.

ALEXY, Robert. Constitucionalismo discursivo. Tradução de Luís Afonso Heck. 3. ed. rev. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2011.

ASSUNÇÃO, Revardiêre Rodrigues. A dignidade humana por meio do primado da igualdade à luz da teoria dos direitos fundamentais de Luigi Ferrajoli. Site Revista FT, Rio de Janeiro, RJ, v. 27, ed. 120, p. 2, mar. Edição 120. Pag. 02, 1 mar. 2023. Disponível em: https://revistaft.com.br/a-dignidade-humana-por-meio-do-primado-da-igualdade-a-luz-da-teoria-dos-direitos-fundamentais-de-luigi-ferrajoli/. Acesso em: 30 abr; 2023.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 20 out. 2022.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (decisão monocrática). Medida Cautelar na ADPF 45 Distrito Federal. [...] DIMENSÃO POLÍTICA DA JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL ATRIBUÍDA AO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. INOPONIBILIDADE DO ARBÍTRIO ESTATAL À EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS SOCIAIS, ECONÔMICOS E CULTURAIS. CARÁTER RELATIVO DA LIBERDADE DE CONFORMAÇÃO DO LEGISLADOR. CONSIDERAÇÕES EM TORNO DA CLÁUSULA DA “RESERVA DO POSSÍVEL”. NECESSIDADE DE PRESERVAÇÃO, EM FAVOR DOS INDIVÍDUOS, DA INTEGRIDADE E DA INTANGIBILIDADE DO NÚCLEO CONSUBSTANCIADOR DO “MÍNIMO EXISTENCIAL” [...]. Relator: ministro Celso de Mello, 29 abr. 2004. Diário da Justiça eletrônico, Brasília, DF, 4 maio 2004. Disponível em: https://portal.stf.jus.br/servicos/dje/listarDiarioJustica.asp?tipoPesquisaDJ=AP&classe=ADPF&numero=45. Acesso em: 27 nov. 2022.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (Plenário). Ação Direta de Constitucionalidade 41 Distrito Federal. Direito Constitucional. Ação Direta de Constitucionalidade. Reserva de vagas para negros em concursos públicos. Constitucionalidade da Lei n° 12.990/2014. Procedência do pedido. 1. É constitucional a Lei n° 12.990/2014, que reserva a pessoas negras 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública federal direta e indireta, por três fundamentos. 1.1. Em primeiro lugar, a desequiparação promovida pela política de ação afirmativa em questão está em consonância com o princípio da isonomia [...] 1.2. Em segundo lugar, não há violação aos princípios do concurso público e da eficiência [...] 1.3. Em terceiro lugar, a medida observa o princípio da proporcionalidade em sua tríplice dimensão [...]. Relator: ministro Roberto Barroso, 8 jun. 2017. Diário da Justiça eletrônico, Brasília, DF, 16 ago. 2017. Disponível em: https://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=4917166. Acesso em: 22 out. 2022.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes; MOREIRA, Vital. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 5. ed. Coimbra: Almedina, 2001.

CUNHA JÚNIOR, Dirley da. Curso de direito constitucional. 5. ed. rev. atual. e ampl. Salvador: JusPODIVM, 2011.

CUNHA JÚNIOR, Dirley da. Efetividade dos direitos sociais e a reserva do possível. Site Jusbrasil, [s.l., 2016?]. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/artigos/efetividade-dos-direitos-sociais-e-a-reserva-do-possivel/407399082. Acesso em: 26 nov. 2022.

FAGUNDES, Seabra. O princípio constitucional da igualdade perante a lei e o poder legislativo. Revista do Serviço Público, Brasília: Escola Nacional de Administração Pública, v. 68, n. 1, p. 99-111, 1955. Disponível em: https://revista.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/5084. Acesso em: 30 abr. 2023

FERRAJOLI, Luigi. Los fundamentos de los derechos fundamentales. 4. ed. Madrid: Trotta, 2001.

FERES JÚNIOR, João et al. Ação afirmativa: conceito, história e debates. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2018. (Coleção Sociedade e Política). Disponível em: https://books.scielo.org/id/2mvbb/pdf/feres-9786599036477-00.pdf. Acesso em: 22 nov. 2022.

PINTO, Maria da Glória Ferreira. Princípio da Igualdade: fórmula vazia ou fórmula “carregada de sentido”?. Boletim do Ministério da Justiça, Lisboa, Portugal, n. 358, p. 19-64, jul. 1986.

HOBBES, Thomas. Leviatã. São Paulo: Abril Cultural, 1979. cap. XII, p. 74. (Coleção Os Pensadores).

KANT, Immanuel. Fundamentação da Metafísica dos Costumes e Outros Escritos. São Paulo: Martin Claret, 2003. (Coleção A Obra Prima de Cada Autor).

MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. 2. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 1993. t. 4, p. 201.

NUSSBAUM, Martha C. Fronteiras da justiça: deficiência, nacionalidade, pertencimento a espécie. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

RAWLS, John. Las Libertades Fundamentales y su prioridade. Barcelona: Ariel, 1988. p. 13.

SARLET, Ingo Wolfgang. A Eficácia dos Direitos Fundamentais. 2. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da Pessoa Humana e Direitos Fundamentais: Na Constituição Federal de 1988. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2018.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 13. ed. São Paulo: Malheiros, 1997. p. 181-182.

SILVA, Virgílio Afonso da. Direitos Fundamentais: conteúdo essencial, restrições e eficácia. 2. ed. São Paulo: Malheiros, 2010.

TEIXEIRA, José Horácio Meirelles. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Forense Universitária,1991.

TORRES, Ricardo Lobo. O mínimo existencial e os direitos fundamentais. Revista De Direito Administrativo, Rio de Janeiro, RJ, v. 177, p. 29-49, 1989. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/46113/44271. Acesso em: 26 nov. 2022.

Downloads

Publicado

2023-07-07

Como Citar

RODRIGUES ASSUNÇÃO, R. . A dignidade humana à luz do primado da igualdade: eficácia, aplicabilidade e reserva do possível. Revista de Doutrina Jurídica, Brasília, DF, v. 114, n. 00, p. e023006, 2023. DOI: 10.22477/rdj.v114i00.861. Disponível em: https://revistajuridica.tjdft.jus.br/index.php/rdj/article/view/861. Acesso em: 22 fev. 2024.